Daniel Senise

Um expoente da Geração 80

Maristela Requião

Daniel Senise é, sem dúvida, um dos principais nomes surgidos entre os artistas plásticos da chamada Geração Oitenta. Integrante de um grupo que, por meio de experimentações, propunha a retomada da pintura, o artista teve sua obra destacada na histórica exposição “Como Vai Você, Geração 80?”, realizada no Rio em 84. Mas, a exemplo dos grandes artistas, essa fase tornou-se um marco para um ininterrupto avanço. Suas obras ganharam outras significações e sua pintura a experimentação de novas técnicas e processos, surgindo sempre nova e original.

Atualmente, em uma constante ponte aérea entre os ateliês de Nova York e Rio de janeiro, Senise é um dos responsáveis pela cena contemporânea das artes não só brasileira como internacional. Sinônimo de reconhecimento, as obras do artista estão presentes nos principais museus de Estados Unidos, Europa e de outras partes do mundo.

Resultado dessa constante busca e inquietude artística, é um grande orgulho para o Museu Oscar Niemeyer apresentar, com o apoio do Governo do Paraná, a produção recente de Senise, sob a conceituada curadoria de Agnaldo Farias. Trata-se de obras inéditas, produzidas nos últimos quatro anos, que refletem a acepção ampla do artista sobre pintura, pela qual trabalha a ideia da pintura como superfície. É essa visão contemporânea do processo de pintura de Senise, o qual abandonou os pincéis nos anos 80, que temos a satisfação de compartilhar com o público.

Maristela Requião, Presidente do Museu Oscar Niemeyer

Voltar